Desde o dia do seu lançamento, em 20 de julho, “Asas” tem alçado o seu intérprete à liderança nas rádios, ranking que faz parte da carreira de Luan Santana em todos os seus trabalhos. Assim, a máxima se repete. A data que a música tocou pela primeira vez nas ondas do rádio foi bem sugestiva: “Dia do amigo”. O cantor fez uma homenagem à fidelidade dos ouvintes ao veículo que se firma em todas as eras. E o tributo em questão só trouxe sorte ao artista: há mais de duas semanas o hit é número um em todos os dials e, se falar de plataformas digitais, o gráfico é surpreendente e orgânico: mais de 35 milhões de streams/plays nas plataformas digitais.

“O rádio é um veículo que se mantém firme diante de todos os adventos tecnológicos, ele chega na casa das pessoas de todos os cantos do Brasil. E o fã, que sintoniza nas ondas, se mostra fiel como assim tem de ser a amizade verdadeira e sincera, que resiste ao tempo e que evolui com os anos. Assim é a minha relação de gratidão com os radialistas e com os meus fãs”, afirma Luan.

Para Kezinho Badilho, responsável pelo departamento de divulgação de rádio no escritório do artista, “Asas” transcende pódios. “Estou muito feliz. O Luan, além de ser um artista muito talentoso e estar nos ajudando em tudo, é um hitmaker, né? Ele nos deu esse presente para trabalhar, o “Asas”, que é um canhão essa música. Desde o seu lançamento, ela não saiu do primeiro lugar, a verdade é essa. As blitz que acontecem só mostram a força da música. São duas semanas consecutivas em primeiro lugar”, enaltece o especialista.

“Asas”, composição de Matheus Aleixo, da dupla com Kauan, foi uma surpresa tão grata para Luan, que foi ouvida, aceita e gravada em tempo recorde, tamanha a sintonia que ele encontrou na letra do amigo. “Ele me mandou a música, eu testei e, sem falsa modéstia, ficou muito boa na minha voz”, celebra Luan, que fala ainda sobre a reação do compositor. “Matheus ficou muito feliz de a gente gravar essa música. Ele se emocionou muito quando eu mandei a primeira versão a ele.”

A produção usa sintetizadores dos anos 80, fonte à qual Luan tem recorrido bastante nos últimos trabalhos, “no som da bateria, a caixa com muito reverb, guitarra com um timbre oitentista”, entusiasma-se, citando Def Leppard e um toque de The Weeknd como referências.

A música foi mostrada ao público pela primeira vez no especial Dia dos Namorados, transmitido dia 13 de junho pela Rede Globo. A ocasião para este lançamento não poderia ser mais adequada, já que a letra é uma declaração de amor, mensagem pronta para os apaixonados. Ela diz o quanto a sua vida mudou depois de conhecer a pessoa amada e revela o poder que esse sentimento lhe dá como ser humano, capaz de enfrentar tudo por ele.

live-luan-santana-historia

Matheus de fato ficou em êxtase pelo resultado: “Escrevi em 15 minutos e pensei no Luan na hora. Lembrei dele porque a música tem uma pegada de “Tudo o que você Quiser”, que também é minha e fiz para o Luan. Esta nova, “Asas”, quando enviei para o Luan, ele respondeu na hora. Produziu instantaneamente e me mandou. Ficou linda, com uma pegada de resgate dos anos 80, que é uma tendência, um movimento lá de fora também, e o Luan super curte. Lembra The Weeknd”, conta Matheus.

“Asas” é só uma entre tantas canções que têm brotado da cabeça de Matheus nesta quarentena: “Estou compondo muito neste período de isolamento, faço em média seis por semana, estou criando para amigos com o Luan e para a minha dupla”, comemora.

A canção se destaca como o primeiro lançamento inédito do Luan depois do álbum mais recente, “Viva”. “Asas” é um produto independente por meio da distribuidora The Orchard. Como clipe, ganhou lançamento inédito na MTV, que, desde que a VIACOM assumiu a emissora, não havia mostrado vídeos do gênero sertanejo. No TVZ, do Multishow, está sempre entre os primeiros.

“Até eu fui impactado, como interprete, com os números astronômicos e orgânicos desde o lançamento de ASAS, seja como clipe, seja nas rádios. Modéstia à parte, bati o meu próprio recorde. A partir desta faixa, vi que eu vivo o melhor momento da minha carreira e, mesmo em meio à pandemia, quero produzir sempre novidades para o meu público. Até o final deste mês, tem surpresa”, promete. E completa: “O sugestivo título de “Asas” é o que me fez alçar grandes voos na vida e na arte. O título remete a liberdade, palavra cara para todos nós neste momento, substantivo que nos dá a chance de alçar voo, de alcançar leveza e de atingir o sagrado, representado pelo céu, com independência e magnitude. Não poderia haver batismo mais sugestivo.”