Tempo Estimado de Leitura: 2 minutos

Os paulistas têm mudado os hábitos com relação à mobilidade urbana. Com o aumento do número de ciclovias no estado de São Paulo, torna-se cada vez mais comum vermos homens, mulheres, idosos e jovens pedalando pelas ruas, seja para ir ao trabalho ou escola ou para cumprir as tarefas diárias.

Além de ajudar a manter baixo os ponteiros da balança, pois evita a obesidade, esse exercício simples traz diversos outros benefícios para a saúde como para a prevenção do colesterol alto e hipertensão, equilíbrio da pressão arterial e dos níveis de triglicérides, ajuda a manter a circulação ativa, aumenta o bem estar, o equilíbrio, a confiança e combate o estresse.

Contudo, embora tenha diversos benefícios para o nosso corpo e mente, o ciclismo pode ser perigoso para a nossa coluna se praticado em uma postura inadequada. “Quando o praticante sente dores nas costas após uma pedalada, significa que o posicionamento estava errado e os movimentos não saíam de forma natural”, explica o fisioterapeuta Dr. Helder Montenegro, especialista em coluna vertebral, presidente da Associação Brasileira de Reabilitação de Coluna – ABRC.

O especialista, que é diretor do Instituto de Tratamento da Coluna Vertebral e criador da técnica reconstrução músculo-articular da coluna vertebral, descreve que a prática de forma inadequada pode contribuir para o aparecimento de lesões musculares, o que resultará em uma diminuição da performance do ciclista. “Os desvios posturais podem comprometer o rendimento do atleta, pois causam uma fraqueza muscular e flexão excessiva do tronco, originando as dores”, afirma Montenegro.

Cuidando da postura

Além do posicionamento ao sentar na bicicleta é imprescindível estar atento ao ajuste da mesma. Isso porque, se a bicicleta estiver desalinhada pode provocar uma sobrecarga mecânica que, por consequência, provocará dores que afetam desde a coluna lombar e cervical, até joelhos, tornozelos e pés. “Existem diferentes modelos de bicicletas no mercado e cada uma delas exige um posicionamento apropriado ao modelo. Neste caso, é importante avaliar qual a sua experiência no esporte e qual a finalidade da bicicleta no seu cotidiano”, sugere Helder.

Veja outras dicas do especialista:

  • Ajuste a altura do banco para não causar uma sobrecarrega nos joelhos. O ideal é que a perna não fique totalmente estendida. O joelho deve ficar deve estar semiflexionado, quase estendido. O que equivale a uma flexão de 15 graus entre coxa e perna;
  • Mantenha os braços sempre semiflexionados para evitar uma grande sobrecarga nas articulações do cotovelo. E, claro, evite colocar todo o peso do corpo sobre os membros;
  • Apoie adequadamente a planta dos pés nos pedais. Eles precisam estar voltados para a frente;
  • Alinhe as costas com o pescoço e a cabeça.

Sobre o fisioterapeuta

Dr.Helder Montenegro, fisioterapeuta, especialista em coluna vertebral, presidente da Associação Brasileira de Reabilitação de Coluna – ABRC e sócio fundador da Sociedade Brasileira de Fisioterapia Esportiva- Sobrafe.

www.itcvertebral.com.br / www.herniadedisco.com.br