Tempo Estimado de Leitura: 2 minutos

É muito comum ouvirmos falar sobre casos de micoses e unhas encravadas, entretanto, mais comum do que imaginamos, são os casos de perda total da unha por infecção fungosa ou traumas e lesões. Nessas horas, as dúvidas de como agir em relação à unha que está prestes a cair são muitas. “A retirada total da unha deve acontecer quando ela fica pendurada por um ponto ou, então, a critério médico”, explica o enfermeiro da Membracel, Antônio Rangel.

A professora particular de inglês, Alice Bastos, passou pela experiência de perder as unhas. Quando foi dar comida aos seus cachorros, tropeçou em uma cerca de ferro e teve as unhas dos dois dedões do pé praticamente arrancadas. “A dor foi imensa, sangrou muito. Elas infeccionaram um pouco, ficaram roxas e caíram de 5 a 7 dias depois. Cuidava intensamente para que o problema não se agravasse, procurando lavar sempre e colocando algum tipo de antibactericida para mantê-las protegidas”, relata Alice.

Segundo o enfermeiro Antônio Rangel, esta proteção do local que está sem a chamada lâmina ungueal (a porção rígida e translúcida) é extremamente importante para a saúde da nova unha que irá nascer. “Uma boa indicação para o tratamento da lesão pós extração total  são curativos como a membrana regeneradora Membracel, que protegem o leito da unha proporcionando diminuição da dor, evitando a aderência da gaze e promovendo uma rápida cicatrização”, sugere Rangel.

Atenção

Além das infecções fungosas, conhecidas como onicomicose, que por meio da ação de fungos pode levar ao descolamento da unha, e dos traumas e lesões que podem acometer as unhas, o uso de sapatos apertados também pode prejudicá-las. “Unhas grandes podem bater no sapato repetidamente, formando uma lesão a longo prazo”, alerta o enfermeiro da Membracel.

Portanto, fique atento aos cuidados no caso de perda da unha: limpe a ferida, aplique pomada cicatrizante e cubra a área posteriormente com um curativo que não toque a ferida, para não irritá-la quando for retirá-lo. Procure orientação médica ou de um enfermeiro e monitore constantemente a cicatrização e, se a dor aumentar, procure novamente um profissional de saúde.