Os carrapatos são alguns dos problemas mais preocupantes para os cachorros, mas é possível evitar e solucionar essa situação para que o animalzinho não seja prejudicado.

O cuidado que os donos têm com seus cachorrinhos é maior a cada dia que passa. Atualmente, os pets são tratados com tanto amor e carinho quanto um filho, já que eles realmente fazem parte da família. 

Por mais cuidado que se tome, eles sempre estão sujeitos a contrair alguma doença ou complicação, já que o ambiente e até mesmo outros cachorros podem transmitir alguma doença ao pet. Uma das complicações mais temidas são os carrapatos, que podem causar complicações sérias afirma a Dra Lívia Romeiro do Vet Quality Centro Veterinário 24h.

Muitas pessoas não sabem, mas quando se fala da doença do carrapato, essa pode dizer respeito a duas doenças diferentes, porém que são transmitidas pelo mesmo artrópode. É muito importante entender o máximo sobre esse assunto, para saber como protegê-lo e também tratá-lo.

 carrapatos

O que é o Carrapato?

Antes de entrarmos no mérito das doenças transmitidas por ele, é importante saber o que é esse animal tão perigoso.

O carrapato, também conhecido como carraça, é um artrópode, ou seja, um animal invertebrado, assim como os besouros e as formigas. Seu pequeno tamanho, que em alguns casos é de apenas 0,25 mm, faz com que ele seja um tanto quanto complicado de se encontrar.

A característica que faz com que ele seja tão prejudicial é o fato de ele ser hematófago, ou seja, se alimentar de sangue. Os carrapatos não são tão perigosos assim para os humanos, já que nós podemos retirá-los assim que o vemos, mas os cachorros são os principais alvos desses seres.

É exatamente por isso que é tão importante ficar sempre atento, tanto para evitar a doença do carrapato quanto para não deixar que esse pequeno ser incomode seu melhor amigo.

 

O que é a doença do carrapato?

Assim como um cachorro com pulgas é uma situação bastante preocupante, ter um cachorro com carrapato também é uma situação indesejada. Em ambos os casos, o principal problema não é a presença das pulgas ou do carrapato em si, e sim as consequências.

Como foi dito anteriormente, não existe apenas uma doença do carrapato. São duas as principais, cujas semelhanças são o vetor de transmissão, que geralmente é o carrapato marrom (Rhipicephalus sanquineus), mas também pode ser de outra espécie.

É importante ressaltar que o problema não é o carrapato em si, mas sim o fato de ele estar contaminado e poder, consequentemente, contaminar o seu cãozinho através da mordida. Por isso, nem sempre uma mordida de carrapato deixará seu pet doente.

 

As duas principais doenças transmitidas são a erliquiose e a babesiose.

Erliquiose (erlichiose)

Quando o carrapato está infectado pela bactéria erlichia sp e morde um cachorro, este passa a apresentar a erliquiose. Com isso, pode ser que os glóbulos brancos, os glóbulos vermelhos e também as plaquetas do animal sejam atingidos.

São três as fases dessa doença (aguda, subclínica e crônica), sendo que cada uma delas também pode ser mais ou menos potente. Quanto antes o problema for diagnosticado, através de exames clínicos, maiores são as chances de cura.

Esse tipo de doença do carrapato faz com que o cachorro apresente alguns sintomas, como tristeza, falta de apetite, diarreia, vômitos, problemas neurológicos, hematomas pelo corpo e palidez nas mucosas, entre outros.

Portanto, assim que esses sintomas forem identificados no pet, ele deve ser levado ao veterinário o quanto antes, para que se façam os exames necessários e se constate qual é a sua causa. Em alguns casos, pode não ser nada de grave, mas é sempre essencial levá-los a um profissional veterinário.

 

Babesiose (ou piroplasmose) 

Essa doença do carrapato é transmitida quanto o hematófago está contaminado pelo protozoário Babesia canis e morde o cachorro.

Alguns dos sintomas apresentados pela babesiose são anorexia, febre, urina escura (com aparência similar a de um refrigerante de cola), ausência da interação com seus donos ou tutores e até mesmo um quadro de anorexia.

A doença também se divide em diferentes fases, que são a hiperaguda, aguda, crônica e subclínica. Da mesma forma, assim que qualquer um desses sintomas for detectado, o cachorro deve ser levado imediatamente a um veterinário.

 

Areas de permanencia do carrapato
Principais areas de permanencia do carrapato nos cães

Como prevenir a doença do carrapato? 

Como visto, esse artrópode pode ser muito perigoso para o seu cãozinho. Se as doenças não forem tratadas a tempo, inclusive, podem até mesmo levar o animal a óbito, tamanha é a sua seriedade. 

Por isso, é importante tomar alguns cuidados para evitar que os carrapatos apareçam, como os seguintes:

  • Manter a grama do quintal sempre baixinha, já que os carrapatos gostam de se esconder embaixo das folhas;
  • Sempre higienizar o local que os animais ficam e também as demais áreas da casa;
  • Aplicar produtos que matam os carrapatos, como sprays, coleiras especiais e outros. Até o momento, ainda não existe uma vacina que seja capaz de prevenir os carrapatos;
  • Sempre prestar atenção no animal, para verificar se ele não tem nenhum carrapato ou mesmo outros seres em sua pele ou nos pelos.

 

Cão com carrapato
Cão com carrapato

E se o cachorro estiver com carrapato?

Todo mundo deseja aumentar a expectativa de vida de cachorros e, por isso, não quer que nada de ruim aconteça com o bichinho. Por isso, encontrar um carrapato pode ser bastante preocupante.

Pode parecer um pouco difícil, mas é ideal manter a calma, tanto para que o cachorro não se assuste quanto para levar a situação com tranquilidade.

Tentar remover manualmente o carrapato pode ser uma atitude de impulso, mas não é muito recomendável fazer isso, já que ele pode não ser removido por inteiro, o que será prejudicial ao cachorro.

O mais adequado é levar o cão para uma clínica veterinária, que poderá tanto remover o hematófago quanto diagnosticar a eventual presença da doença do carrapato e indicar o que deve ser feito para seu tratamento. 

DEIXE SEU COMENTÁRIO