Tempo Estimado de Leitura: 2 minutos

No próximo dia 21 de junho, acontece a partida Argentina X Irã pela Copa do Mundo de Futebol. No entanto, essa não é a primeira vez que os dois países se enfrentam.

Fora do campo, 85 argentinos perderam suas vidas, vítimas de um atentado com um carro-bomba à sede da Amia-Associação Mutual Israelita, em Buenos Aires, perpetrado pelo Irã, conforme investigações já feitas. No entanto, 20 anos se passaram e nada!

A justiça já investigou e apontou os culpados: Membros do Irã, inclusive ocupando postos de alto escalão no Governo do referido país.

Aproveitando o alcance que tal evento possui, e como o campo de futebol reflete a própria sociedade, jovens da comunidade judaica brasileira resolveram pedir à Fifa, em carta enviada a seu presidente Joseph Blatter, que se faça antes do início da partida, um minuto de silêncio. Para isso, criaram um grande movimento nas redes sociais (Facebook#1minutopelaamia) e a ideia foi tomando corpo e adesão de vários outros jovens e comunidades judaicas espalhadas pela região, que respeitarão esse pedido em suas “casas”.

Esse minuto de silêncio calará fundo não apenas pelas vítimas argentinas, muitas das quais judias, mas servirá para mostrar à sociedade, através de um ato pacífico, que todos desejam a paz, para provar que acreditamos que a justiça ainda pode e deve ser feita, e que o esporte é um canal muito oportuno para isso.

O Brasil é um país onde todos convivem em paz e harmonia, diferentes segmentos da sociedade, credos e tal, um modelo para um movimento maior.

Assim, estão sendo organizados dois grandes atos para a referida data, sendo um em São Paulo e outro no Rio de Janeiro, cidades onde há maior concentração de membros judeus. Paralelamente, outras comunidades judaicas da América Latina farão o mesmo, concentrando-se nos locais estabelecidos pelos organizadores, a partir das 12h30, e fazendo um minuto de silêncio, exatamente às 12h59, antecedendo o início da partida.
O vão livre do MASP, em São Paulo, e as areias de Copacabana, na altura da Rua Siqueira Campos, no Rio de Janeiro, servirão de palco para que centenas de jovens e quem mais desejar se manifestem a favor da justiça e da paz.