Tempo Estimado de Leitura: 2 minutos

Tales Volpi, conhecido como MC Reaça, foi encontrado morto neste sábado (1). O jovem de 26 anos foi autor diversos jingles para a campanha de Bolsonaro nas eleições do ano passado.

O corpo de MC Reaça foi encontrado na noite deste sábado no km 116 da Rodovia Dom Pedro (SP-065). De acordo com a Polícia Civil de Valinhos, a Polícia Militar, que foi acionada até o local, indicou “possível suicídio”.

Segundo o boletim de ocorrência, registrado como suicídio, foram encontrados no local uma uma motocicleta, uma mala de roupas e R$ 602 em dinheiro.

As canções de MC Reaça geraram controvérsia na internet devido às letras que ofendiam diversos setores da população. A música mais conhecida do MC Reaça era a “Proibição Bolsonaro”, uma paródia do funk “Baile de Favela”, do MC João.

A letra da música, que fala em dar “ração na tigela” para feministas e compara mulheres “de esquerda” a “cadelas”, foi cantada por apoiadores de Bolsonaro em um ato realizado em Recife durante a camapanha.

“Dou pra CUT pão com mortadela / E pras feministas ração na tigela / As minas de direita são as top mais belas / Enquanto as de esquerda têm mais pelo que as cadelas”, diz um trecho da música.

Bolsonaro usou as redes sociais para lamentar a morte de MC Reaça. “Tales Volpi, conhecido como MC Reaça, nos deixou no dia de ontem. Tinha o sonho de mudar o país e apostou em meu nome por meio de seu grande talento”, escreveu.

MC Reaça foi também acusado de agredir namorada

De acordo com o G1, a Polícia Civil de Valinhos ainda registrou, também no sábado, outro boletim de ocorrência envolvendo o artista. De acordo com o documento, MC Reaça é suspeito de ter agredido uma mulher, definida no registro como namorada dele.

Ela foi encaminhada para o Hospital Augusto de Oliveira Camargo, em Indaiatuba, com edemas na face e no olho, além de fraturas no maxilar. A ocorrência foi registrada como lesão corporal e violência doméstica.

A unidade médica informou que o estado de saúde da mulher é “estável” e ela vai passar por “cirurgias programadas”.