Dor incapacitante, alterações no aumento da atividade intestinal durante o ciclo e incômodo na região pélvica podem ser indicativos de doença. Ginecologista alerta para que familiares e pacientes prestem atenção aos primeiros sinais.

De acordo com dados da Associação Brasileira de Endometriose e Ginecologia Minimamente Invasiva (SBE), sete milhões de brasileiras sofrem com a endometriose, conhecida como ‘mal da mulher moderna’. “A cólica menstrual intensa é um dos primeiros sintomas da doença, mas não isolada. Outros fatores também devem ser considerados, como alteração no hábito intestinal e dor pélvica“, destaca o ginecologista do Hospital Samaritano de São Paulo, Dr. Nicolau D´Amico.

Infelizmente muitos acham que a cólica na adolescência é normal, o que dificulta o diagnóstico. E nisso, o diagnóstico pode demorar em média dez anos para se descobrir a doença. Sentir dor ao menstruar não deve ser normal”, explica o especialista. E completa “O diagnóstico tardio compromete a qualidade de vida da mulher, além de poder causar seqüelas orgânicas que podem ser irreparáveis”.

A Endometriose pode ser uma das principais causas de infertilidade, podendo chegar a quase metade dos casos que freqüentam clínicas de fertilização assistida

Fatores como alterações do sistema imunológico, genética, estilo de vida, sedentarismo e alimentação inadequada potencializam o risco a desenvolver a doença. Por isso o ginecologista orienta para que “a mulher opte sempre por manter uma alimentação saudável, reduzir fatores que motivem estresse, realizar atividades físicas, além de respeitar repouso adequado, como atitude preventiva”.

Fonte: Hospital Samaritano de São Paulo