Desaparecimento dos sintomas do linfoma de Hodgkin faz com que pacientes larguem o tratamento; doença incide mais em jovens entre 15 e 25 anos

Enfrentar um diagnóstico de câncer não é fácil, ainda mais quando se é jovem e está cheio de vida. No entanto, alguns tipos da doença são mais comuns em adolescentes e adultos jovens. Esse é o caso do linfoma de Hodgkin, câncer do sistema linfático em que um dos sintomas é o aparecimento de linfonodos (ínguas). A doença incide, principalmente, em pessoas na faixa de 15 e 25 anos, de acordo com o Dr. Celso Massumoto, coordenador da unidade de Transplante de Medula Óssea (TMO) do Hospital 9 de Julho.

O problema é que com duas sessões de quimioterapia, os linfonodos tendem a sumir. Com isso, muitos jovens abandonam o tratamento. No entanto, são indicadas cerca de 12 aplicações de quimioterapia para concluir o processo de maneira segura e eficaz”, explica o médico. Estão no grupo de risco também pacientes entre 50 e 60 anos.

Segundo o especialista, a taxa de cura da doença é de 80% quando o diagnóstico é precoce e, o tratamento, seguido à risca. No entanto, pacientes que não têm sucesso com a quimioterapia podem recorrer ao Transplante de Medula Óssea como alternativa de tratamento.

Evento

No próximo dia 14, acontece no auditório do Hospital 9 de Julho o Clube de Hodgkin. O evento vai reunir pacientes e seus familiares para falar sobre o histórico da doença, os tratamentos possíveis e compartilhar experiências. “O objetivo é conscientizar a população sobre a doença e montar grupos de apoio aos pacientes”, explica o Dr. Celso Massumoto.

O evento é organizado pela Abrale – Associação Brasileira de Linfoma e Leucemia, com o apoio do Hospital 9 de Julho. Interessados podem se inscrever pelo site http://abrale.org.br/evento/clube-de-hodgkin.