25 anos depois de sua morte, num acidente aéreo que chocou o país, os Manonas Assassinas ganham uma releitura de três de seus principais sucessos: “Pelados em Santos”, “Vira-Vira” e “Robocop Gay”, músicas que o país inteiro cantou, estão de volta no EP “Very Crazy”.

Mantendo o espírito irreverente do grupo, a dg3 Music convidou alguns artistas para dar nova vida às pérolas dos Mamonas – e o resultado são releituras surpreendentes. O cantor Buchecha, um fera no suingue carioca, se uniu ao MC Koringa e junto transformaram “Pelados em Santos” num jazz. A música ganhou uma versão envolvente embalada por pianos, metais, groove e coro.

Já os cantores Ivo Meirelles e Anderson Leonardo (do grupo Molejo) injetaram ainda mais bom-humor em “Vira-Vira” e a levaram para o meio de uma roda de samba. A famosa “música da suruba” vai ganhando balanço a cada estrofe, num surpreendente partido-alto com uma interpretação irreverente e bem carioca.

O novo álbum digital traz ainda um remix futurista de “Robocop Gay” – um hino à diversidade  carregado de humor e inclusão, na voz dos próprios Mamonas. O EP contém duas versões do remix, uma completa (extended) e outra mais curta (edit); ambas têm produção musical, programação e remixes assinadas pela turma da dg3 Music, comandada por David Gomes.

https://music.youtube.com/watch?v=7tm8FyqWI0M&feature=share

“Nossa intenção foi fazer um versão eletrônica para pista de dança, divertida e livre de preconceitos, mantendo o espírito alegre dos Mamonas. Como o tema da canção é bastante sensível, apresentamos o trabalho para diversas pessoas do segmento LGBTQIA+ e todos aprovaram o resultado”, conta David.

“Participar deste projeto e defender uma canção tão marcante em minha vida é um misto de emoção e saudades gigantes, pois me fez recordar do único show que assisti dos Mamonas, no Mauá de São Gonçalo em 1995, e é até hoje o melhor show que pude assistir; eles tinham uma energia única e, sinceramente, foi uma responsabilidade tremenda cantar ‘Pelados em Santos’ neste novo formato sem deixar de lado a irreverência exclusiva da banda nos palcos e nas músicas!”, conta Bochecha.

MaisPB • Mamonas Assassinas ganha releituras nesta sexta-feira